domingo, 2 de agosto de 2009

Desabafo contra a pena de morte

“O corredor da morte é a arena onde as políticas de Poder, Retribuição, e Violência, são aplicadas a um homem usando (materiais como) concreto e aço. Até que este homem se transforma em aço, e seu coração passa a ser tão duro como o concreto.”
- Prisioneiro no corredor da morte em carta a Paulo Coelho

A pena capital trata-se da execução de um criminoso pelo Estado. Tal vil e atroz forma de condenação ainda vigora em inúmeros países do globo, como os Estados Unidos.

A pena de morte fere o Artigo III da Declaração Universal dos Direitos Humanos: O direito à vida. Negando todos os direitos humanos, o Estado fria e cruelmente assassina um prisioneiro em nome da “justiça”.

Além da dor física causada pela execução, é impossível quantificar o sofrimento causado pelo conhecimento prévio de sua morte. Imaginem a dor de um prisioneiro, em sua cela, esperando a hora de sua morte. Esperando a decisão judicial (caso ele esteja apelando, ou seja, utilizando um recurso contra a sentença do juiz) que decidirá se ele viverá ou morrerá.

Nem sempre a pena de morte é bem-sucedida. Enforcados perdendo a cabeça ou pendurados por minutos antes de morrerem e eletrocutados com cabeças ardendo em chamas não são situações raras. A injeção letal, criada para diminuir a dor dos executados, também falha. Angel Nieves Diaz, executado na Flórida, lutou para respirar durante 34 minutos. As agulhas estavam profundas demais, e os produtos químicos não chegaram diretamente ao sangue.

E muitos aplaudem essa atrocidade cometida pelo Estado. Punem a morte com… a morte. Que tipo de justiça é essa? O Estado condena uma pessoa por matar, mas ele mesmo mata. Ninguém tem direito a tirar a vida de ninguém, e o Estado não está sobre essa lei.

Alguns defensores dizem que a pena de morte é menos custosa que a prisão perpétua. Não é. As custas dos processos, celas especiais, apelações, guardas, sacerdotes, maquinário e carrasco custam três vezes mais que a prisão perpétua.

Dizem também que a pena de morte faz os criminosos pensarem duas vezes antes de matar. Errado novamente. Segundo estatísticas, nos países em que a pena capital é legalizada, os indíces de criminalidade são os mais altos. Na França, após a abolição da guilhotina, esse índice diminuiu. Além disso, é risível o pensamento de que um assassino pensaria duas vezes em matar, já que os crimes hediondos, punidos com pena de morte, são cometidos em momentos de loucura e descontrole. O que se espera de um criminoso que vive em um país onde a morte é legalizada?

Por último, mas não menos importante, existe a possibilidade de falha. Somos humanos, e estamos sujeitos a errar. Por causa de um simples erro judicial, em um país em que a pena de morte é legalizada, um inocente é executado. É arrogância o pensamento de que a justiça sempre acerta. Não, não acerta. Mas mesmo assim a pena de morte continua legalizada em alguns países.

Mas o que mais me assusta é o conforto trazido pela execução de condenados à família das vítimas. Uma mãe, que teve a sua filha assassinada, comemora a execução do assassino. Mas não pensa que outra mãe acaba de ter seu filho assassinado.

Tanto criticam o Nazismo, mas agem como nazistas. Sentem-se no direito de tirar a vida de uma pessoa que, por julgamento deles, perdeu seu direito a vida. Quem somos nós para decidir quem morre e quem vive?

A verdade é que a pena de morte é a expressão contemporânea da Lei de Talião: Olho por olho, dente por dente. O Estado, que supostamente deveria ter evoluído e trocado seus princípios, a cada execução reforça um princípio adotado na Babilônia.

“Olho por olho e o mundo acabará cego”
- Mahatma Gandhi

“Mesmo sendo uma pessoa cujo marido e sogra foram assassinados, sou firme e decididamente contra a pena de morte... Um mal não se repara com outro mal, cometido em represália. A justiça em nada progride tirando a vida de um ser humano. O assassinato legalizado não contribui para o reforço dos valores morais."
- Coretta Scott King, viúva de Martin Luther King.

SITES LIDOS PARA ELABORAÇÃO DO POST (NÃO DEIXEM DE LER):

Cultura Brasil – A Questão da Pena de Morte
Pena de Morte

12 comentários:

  1. Boa frase do Ghandi, também sou contra a pena de morte, um inocente que morra por falha da justça já a faz ser tola, desnecessário, ineficaz e estúpida.

    ResponderExcluir
  2. uaau, seus posts são muito inteligentes. Você transmite seus pensamentos com expressões cultas e cativadoras, realmente muito fascinantes.

    ResponderExcluir
  3. NOOOOOOOOFFÃ amicsss
    tiops, eu nao defendo nem condeno a pena de morte, eu condeno a justiça, pq cara, um estuprador, um serial killer, pessoas que fazem o mal conscientes, pra mim nao merecem viver, é a minha opniao, mas ai julgar uma pessoa inocente é o porém, mas "todos sao inocentes até que se prove o contrário", uma frase muito usada na faculdade de direito. Nao estou falando que apóio a pena de morte, mas tbm nao estou falando que sou contra, existem alguns casos que merecem a mesma, se vc parar pra pensar concordará cmg, a dor da familia que terá o criminoso assassinado nao vai ser maior do que a dor de saber que o mesmo é criminoso.prisao perpétua só deixa o criminoso com mais raiva sem disciplina e corre o risco de morrer antes da pena, pelos próprios presos, na pena de morte o preso fica em uma cela separada, sozinho, ou seja, se morrer, vai morrer da forma mais indolor possivel, nao pelas atrocidades que podem ser causadas pelos presos na prisao. novamente só quero reforçar que nao apóio nem sou contra a pena de morte, só tenho uma opniao mediana sobre.

    ResponderExcluir
  4. belo texto...mas eu sou a favor d apena d emorte...se o cara matou..tem que morrer....ja era...

    ResponderExcluir
  5. Bem, concordo que a educação é o melhor meio de acabar com a violência, tanto em casa como nas escolas. Eu sou a favor em algumas situações, porém não concordo de ser implantada aqui no Brasil, pois acabaria sendo manipulada por aqueles que obtem maior poder.

    ResponderExcluir
  6. Sr. F, essa é uma das maiores críticas que faço à pena de morte. Muitos inocentes morrem por erro judicial!
    --
    Leandro e Bruno, MUITO OBRIGADO por ler, comentar e elogiar *-* Sou muito grato a vocês
    --
    Izabella, acho que crimes hediondos, os puniveis com pena de morte, não são cometidos em momentos de consciência. Os criminosos ou estão em momento de descontrole emocional ou possuem distúrbios psicológicos. Ele deve sim ser punido, mas não com a morte. É hipocrisia um Estado punir um assassino com a morte. Estaria cometendo o mesmo crime. Obrigado por ler e postar sua opinião!
    --
    Palavras ao vento, obrigado pelo elogio mas discordo de você. Não se pune o assassino com o assassinato. A frase dita por Coretta King, postada no final do post, é minha resposta.
    --
    Pâmzinha, concordo. A violência tem que ser erradicada com a educação e não com o assassinato. Se educássemos nossas crianças do jeito que deveríamos, o índice de criminalidade diminuiria drasticamente, sem a necessidade do uso do assassinato legalizado.

    OBRIGADO A VOCÊS TODOS! CONTINUEM A LER O BLOG! ABRAÇÃO!

    ResponderExcluir
  7. adorei o posto, também sou contra!
    acho que so Deus sabe quando nossa jornada chegou ao fim. beijos caiinho s2

    ResponderExcluir
  8. A pena de morte não é eficaz. O bandido ou mata ou morre. Se morre na mão do estado ou na mão de outro bandido, isso não importa.

    ResponderExcluir
  9. Belo e inteligente post Caio. Como você tantas vezes frizou sobre o inocente, eu indago: Uma pessoa honesta é roubada e depois é assassinada pelo ladrão. SE o ladrão for preso, ele provavelmente ficará pouco tempo na prisão. Voltará as ruas com o mesmo intuito, e se matar outra pessoa?

    Em relação ao que é relatado no post sobre injustos assassinatos pela pena de morte, que eu saiba a execução só ocorre quando a culpa é devidamente expressa e provada.

    Bem, até agora só falei sobre o que eu não concordo em absoluto. Realmente NINGUÉM tem o direito de tirar a vida de ninguém... com tudo isso, a minha conclusão é a seguinte:

    O único caminho que pode solucionar essa questão é a rigidez das leis. Não deve haver pena de morte, não.. Se uma pessoa matar, e for comprovado, ela DEVE apodrecer na cadeia... Acho que se as leis fossem mais rigidas e se os criminosos fossem OBRIGADOS a cumprí-las, de uma forma ou de outra, essa questão seria solucionada.

    Abração Caio, sempre excelentes posts!

    ResponderExcluir
  10. Primeiramente obrigado pelo comentário e pelo elogio Ivens.
    Acredito também em um sistema judicial mais eficaz, mais rigidez nas leis E NA PRISÃO PERPÉTUA.
    Sim, sou contra a pena de morte mas a favor da prisão perpétua. Afinal, um assassino deve pagar pelo que fez. Mas não com a morte. E sim com a prisão perpétua.
    Abração!

    ResponderExcluir
  11. Espero que essas belas palavras possam tocar os corações de muitas pessoas a fafor da pena de morte, não importa o que a pessoa fez, niguem merece morrer.

    ResponderExcluir

 
BlogBlogs.Com.Br