sexta-feira, 31 de julho de 2009

Baile de Máscaras

Retire a sua máscara e respire o ar puro da liberdade enquanto lê esse texto

“Eis o procedimento adotado pelos treinadores de circo, para que os elefantes jamais se rebelem - e eu desconfio que isso também se passa com muita gente.

Ainda criança, o filhote é amarrado, com uma corda muito grossa, a uma estaca firmemente cravada no chão. Ele tenta soltar-se várias vezes, mas não tem forças suficientes para tal.

Depois de um ano, a estaca e a corda ainda são suficientes para manter o pequeno elefante preso; ele continua tentando soltar-se, sem conseguir. A esta altura, o animal passa a entender que a corda sempre será mais forte que ele, e desiste de suas iniciativas.

Quando chega a idade adulta, o elefante ainda se lembra que, por muito tempo, gastou energia à toa, tentando sair do seu cativeiro. A esta altura, o treinador pode amarrá-lo com um pequeno fio, num cabo de vassoura, que ele não tentará mais a liberdade.”

Paulo Coelho, em sua coluna no G1

No final das contas, a maioria da massa é como um elefante de circo.

Amarrados pela sociedade. Vivem sobre a lei férrea de serem aceitos por ela. Desde crianças são treinados para serem bem aceitos.

No colégio, lutam para se encaixarem. Oprimem-se e criam uma máscara. Fingem. Enganam aos outros e a si mesmos. 

E essa máscara perdura. Se enganam tão verdadeiramente que eles próprios não sabem quem são. A máscara confunde-se com o seu eu interior.

Com o tempo, adquirem consciência de que aquilo que as pessoas vêem é apenas uma mentira. Mas têm medo. Medo de mudar. Medo de não aceitarem quem realmente são. E não mudam. Continuam a se reprimir. A viver uma mentira.

Não ousam desafiar a sociedade. Ela paira sobre eles como um ditador. Cruel. Fria. Pronta para os excluir ao menor sinal de subjetividade.

E se misturam à massa. Viram apenas mais um no meio da multidão. Máquinas. Animais treinados. Sem o mínimo esboço de opinião. Massa de manobra.

Felizes são os que tem coragem para se rebelar. Livrar-se de todas as amarras e serem eles mesmos. São poucos, mas existem.

E o que fazem com eles? Massacram. Excluem. Oprimem. Eles vivem diariamente uma luta contra uma sociedade que a cada dia tenta uniformizá-los, aliená-los.

Passeiam pelo baile de máscaras de cara limpa. Sem nada a temer. Sem esse temor onipresente na vida dos mascarados. O medo de serem descobertos. Medo de que sofram na pele o que fazem com os outros. Mesmo que discordem do que fazem, continuam fazendo. São obrigados, para continuarem aceitos, a fazerem isso.

A maioria da população perdeu o senso crítico. A individualidade. A reflexão. A capacidade de ver além do que os olhos enxergam. E o que isso causa?

Leia os jornais e encontrá a resposta estampada nas manchetes.


Sigam meu Feed! Sigam-me no Twitter

9 comentários:

  1. Legal cara.
    Meio assim 'mostre quem você é realmente, e pare de fingimento, enquanto lê meu texto'

    hauuhahuahuauha

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. O texto deveria ser um pouco maior então, o pessoal tira, respira,mas ja torna a colocar as mascaras de novo! rsrs

    ResponderExcluir
  3. Mesmo que o texto tivesse o tamanho da Bíblia, ao terminarem as pessoas colocariam as máscaras novamente. Apenas uma tentativa de derrubar a máscara.
    Obrigado por lerem! Abraços

    ResponderExcluir
  4. VIVA LA REVOLUCIÓN! \O/ auhsauhusha sorry, tinha que dizer :X maaaas eu amei o post e vamos tentando fazer as mascaras caírem, a nao ser que seja uma mascara cheia de penas neon e lantejoulas *-* aiiii pode continuar pq é lindaaa *-*

    ResponderExcluir
  5. Oi Caio
    Obrigada por todos os comentarios deixados lá no blog...Voltarei aqui com calma para ler seus textos e tb comentá-los.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Gostei realmente do texto. Achei muito interessante a analogia com a história dos elefantes, e achei que, metaforicamente, o que ocorre com os elefantes é um ação costumeira com as nossas crianças.

    Desde o começo as crianças aprendem a obedecer e não questionar aquilo inquestionavel. Aprendemos quando e como devemos ou nao se expor. E muitas vezes, o medo aplicado pelo sistema nos mantem calados até os ultimos dias das nossas vidas, para mantermos o status, nao é ?

    Parabens pelo seu senso crítico.
    PS: Comentei lá da comunidade CCC!

    http://awardmovies.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. SÓ TENHO UMA COISA A DIZER: PERFEITO O POST!

    ResponderExcluir
  8. Nossa, realmente... Até então, eu vinha vivendo sem questionar as coisas que fazendo vinha... Obrigado, Caio... A minha vida estava toda errada... Agora, as coisas mudaram... O que entendi com o seu texto mudou a minha vida. Posso resumir tudo o que aprendi em uma só palavra de glória e louvor ao conhecimento e a tudo que corresponde a sabedoria: RONALDO.

    ResponderExcluir
  9. É pra isso que a bixas servem, para se juntarem às suas amiguinhas ricas e falarem mal dos outros que não seguem a linha de conduta da sociedade que você tanto diz.

    ResponderExcluir

 
BlogBlogs.Com.Br